Tatiana Amaral

0
1769
  1. Fale-nos um pouco de você.

Eu sou baiana, moro em Salvador. Sou casada e mãe de três filhos. Sou agitada demais. Não consigo fazer uma coisa de cada vez e acabo embolando tudo. Amo ser mãe, amo crianças. Não costumo ser a mesma pessoa por muitos dias, mudo sempre de humor e de ideias. Sou sempre muito positiva, gosto de acreditar na vida, de ter princípios e de lutar por um mundo melhor, para isso preciso ser rígida comigo. Eu escrevo por amor, porque foi a forma que encontrei para me sentir completa, pertencente a algo, e normalmente passo o meu dia pensando em meus personagens.

  1. O que vc fazia/faz além de escrever? De onde veio a inspiração para a escrita?

Eu sou formada em Administração com Marketing. Trabalhei na área por um tempo até não conseguir mais viver trancada em um escritório. Deixei de trabalhar sem saber ainda o que deveria fazer da vida. Escrever aconteceu no momento certo. Sempre amei ler, e apesar de estar o tempo todo envolvida com artes, nunca me vi sendo uma escritora, até que um dia li um livro e tive uma ressaca literária que me paralisou. Eu queria mais da história, pensava nela o tempo todo, em como poderia ser, em situações diferentes para o livro, então acabei escrevendo a minha própria história e desde então não parei mais.

  1. Qual a melhor coisa em escrever?

Com certeza é poder sonhar. Escrever é colocar para fora os sonhos. Eles viviam presos dentro de mim, quando escrevi me senti leve. Saber que o que você sonha, sente e escreve, deixa muita gente feliz é realmente uma dádiva.

  1. Você tem um cantinho especial para escrever? (envie-nos uma foto)

Não tenho. Eu escrevo em qualquer lugar. Levo meu computador comigo e sempre que encontro um tempo paro para escrever. Recentemente encomendei uma área de trabalho apenas para me organizar melhor, mas não ficou pronta ainda.

  1. Qual seu gênero literário? Já tentou passear em outros gêneros?

Eu escrevo romances e não consigo escrever nada diferente disso. Gosto de fantasia, mas não me sinto capaz de escrever livros deste gênero.

  1. Fale-nos um pouco sobre seu(s) livro(s). Onde encontra inspiração para título e nomes dos personagens?

Atualmente eu tenho 10 livros lançados.

Comecei por Segredos, que é um romance leve, que conta a história de Cathy e Thomas e os seus segredos. Cathy vai trabalhar como Thomas, que é um ator famoso e indisciplinado, eles se atraem, mas possuem objetivos diferentes. Os segredos de ambos podem destruir o relacionamento deles. Traições é o segundo livro para este mesmo casal e vai narrar a separação deles e a luta contra pessoas que fazem de tudo para estragar a vida deles.

Casei. E agora? – As aventuras do meu descasamento – é um romance leve e engraçado que conta a história de Cléo, uma brasileira que vai morar nos EUA com o seu noivo. Decidida a casar ela aceita uma proposta dele de ficarem um mês separados e só depois disso assumirem de vez o casamento. Desolada ela viaja para Las Vegas com as amigas e em uma noite desregrada acaba casando com Douglas. O livro é uma contagem regressiva para que eles consigam o divórcio e ela possa finalmente voltar para o noivo a tempo para o casamento. Mas nem tudo é como parece ser.

A Carona – conta a história de Gabriela e Daniel. Em uma viagem a negócios, onde Daniel, por problemas pessoais, opta em ir de carro do Rio até Curitiba, ele encontra Gabriela e resolve lhe dar carona. A viagem curta é constantemente interrompida pelos mais diversos acontecimentos. Os dois possuem um passado em comum, mas Daniel não sabe disso e tudo vai acontecer até que ele se lembre da sua parceira de viagem. É um romance leve e engraçado também.

Trilogia Função CEO – É um romance erótico, cheio de intrigas e suspense. Conta a história de Robert e Melissa, a sua amante, e tudo o que eles precisam superar para ter um final feliz. Em um mundo de jogos e mentiras o amor é a última opção de Robert Carter.

Série O professor – Romance erótico. Narra a história de Alex e Charlotte. Alex é professor de Charlotte, uma garota rica e mimada que se desespera quando ele resolve reprovar o seu trabalho de conclusão de curso. São quatro livros, mas o último ainda não foi lançado.

 Títulos e nomes de personagens simplesmente surgem em minha cabeça. Quando eu penso na história ela já chega com estes detalhes prontos.

  1. Qual tipo de pesquisa você faz para criar o “universo” do livro?

Depende de cada história. Normalmente eu pesquiso muito na internet sobre lugares, climas, cultura… quando o assunto envolve algo mais ligado a algum profissional eu procuro alguém que conheça o que preciso e elabora uma entrevista ou uma conversa informal para conseguir tudo o que preciso para desenvolver o livro.

  1. Você se inspira em algum autor ou livros para escrever?

Apenas no primeiro livro, foi o meu ponta pé inicial. É complicado dizer assim, mas eu apenas penso na história e ela acontece, se é assim por causa de algum livro que li, eu não sei dizer. Como estou sempre lendo, tenho que ler todos os dias, é possível que tenha alguma influência, mas acredito que músicas e filmes também possuem a sua contribuição.

  1. Você já teve dificuldade em publicar algum livro? Teve algum livro que não conseguiu ser publicado?

A dificuldade foi apenas no início. Antes de uma editora me aceitar eu recebi muitos “nãos”, mas hoje eu tenho contrato para todos os meus livros e espero que seja sempre assim (rsrsrsrs).

  1. O que você acha do novo cenário da literatura nacional?

Eu acho que o mercado está aberto e isso é bom e ruim ao mesmo tempo. É bom porque temos um público imenso, ávido por livros, ansiosos por muitas e muitas histórias, o que faz com que as editoras abram as portas. O lado ruim é que as plataformas gratuitas que possibilitam a entrada de novos escritores também permitem que qualquer besteira seja escrita, então estamos no meio de muitos livros ruins ganhando destaque, enquanto muitos livros bons de verdade acabam esquecidos. Quando falo de livros bons e ruins quero falar também em técnicas de escrita, em livros com qualidade, além de uma história envolvente. Mesmo assim ainda acredito que é um momento favorável e que existe público para todos.

  1. Recentemente surgiram várias pessoas lançando livros nacionais, uns são muito bons, outros nem tanto, outros são até desesperadores, o que você acha sobre este boom?

Acabei respondendo na pergunta anterior. Realmente é complicado, porque se tem público, tem venda. Mas temos que lembrar que se estivermos falando das histórias desenvolvidas fica muito complicado dizer se é bom ou ruim só por causa do nosso gosto literário. Eu penso mais nos livros ruins quando a técnica é ruim ou quando a história não é envolvente. Hoje em dia é muito fácil publicar, o que não é fácil mesmo é se manter no mercado.

  1. Qual sua opinião sobre os preços elevados dos livros nacionais?

Outro ponto delicado. Como consumidora acho horrível. Temos livros internacionais que chegam aqui muito mais baratos do que os nossos. A concorrência é desleal. Por outro lado, existe uma cascata de interesses que eleva o valor do livro. O papel é caro, as gráficas cobram caro, uma editora série precisa de uma equipe boa para trabalhar o livro, as livrarias querem ficar com a maior parcela do valor, conseguir colocar o livro em uma livraria envolve diversos interesses que também encarem o valor final, a pirataria diminui o público, consequentemente a tiragem, o que também eleva o valor final. Fica difícil conseguir um preço justo em um mercado injusto.

  1. Qual livro você falaria: “queria ter tido esta ideia”?

Poxa, muitos! Todos os livros da Carina Risse me fazem pensar assim (rrsrsrsrsrs).

  1. Se tivesse que escolher uma trilha sonora para seus livros qual seria? (nome da musica + cantor)

Cada livro tem uma. Inclusive estamos brincando sobre isso em minha página oficial para formar uma play list dos meus leitores. Gosto de ouvir Photograph- Ed Sheeran para escrever O professor. Em Função CEO era Michael Bublé.

  1. Já leu algum livro que tenha considerado “o livro de sua vida”?

Muitos. Monte cinco – Paulo Coelho. Como eu era antes de Você – JoJo. Série Crepúsculo (sim, eu amo). E muitos outros.

  1. Você tem novos projetos em mente? Se sim, pode falar sobre eles?

Tenho muitos. No momento estou trabalhando o último livro da série O professor. Tenho que escrever um livro de contos que será uma surpresa. Vou escrever um livro para a Miranda, que é a melhor amiga da Charlotte. E vou escrever o livro que conta a história do Robert de Função CEO. Existem outros projetos, mas ainda não posso falar sobre eles.

  1. Você acompanha as críticas feitas por blogueiros nas redes sociais? O que você acha sobre isso?

Algumas, sim. Normalmente minha assessoria me passa o que acredita ser interessante. Eu gosto de críticas reais, sejam boas ou ruins. Quando a pessoa realmente leu o livro, despida de preconceitos, e não gosta, eu entendo e aceito. Mas muitas vezes você recebe críticas negativas simplesmente por ser um erótico, ou por ser um nacional, ou porque a pessoa gosta de ir contra a maré e dizer que não gosta porque é “diferentona” (rsrsrsrsrs). Essas eu não levo em consideração por não serem realmente críticas construtivas. Mas aceito e respeito quem não gosta. Nunca pensei que agradaria a todos.

  1. Se pudesse escolher um leitor para seu livro (escritor, alguém que admire) quem seria?

As escritoras nacionais que mais admiro gostam do meu trabalho, então posso me considerar uma mulher de sorte, mas se eu pudesse escolher alguém que não é amigo ou conhecido, seria Paulo Coelho. Muita gente detesta ele, mas eu realmente gosto e respeito.

  1. Qual a maior alegria para um escritor?

Receber uma mensagem de um leitor dizendo que amou o livro. Eu ganho o meu dia.

  1. Deixe uma mensagem a nossos leitores e para aqueles que estejam iniciando no mundo da escrita literária.

Agradeço a todos os que me seguem e gostam do que escrevo. Sem o leitor o escritor certamente existiria, porque escrever é uma necessidade da alma, mas ele jamais seria feliz, então eu agradeço por vocês me tornarem uma pessoa feliz. Para quem está começando eu só posso dizer uma coisa: não desista. É complicado, difícil, muitas vezes triste e desesperador, mas se é o que você realmente ama, insista. Uma hora acontece.

Obrigada, Ceiça e o Arca pela oportunidade, parceria e respeito pelo meu trabalho.

Gostaria de ser entrevistado por nossa equipe? Clique aqui!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here