Solteiro Sofre Demais – Bruno Godoi

0
635

“Solteiro Sofre Demais” é o terceiro livro do mineiro Bruno Godoi. Possui 247 páginas e foi publicado em 2015, pela Editora Empíreo. Godoi, que já foi bombeiro, é formado em engenharia civil. Como ele mesmo diz, sua obra enquadra-se no estilo “barba lit”, inspirado nos famosos “chick lits”, livros voltados para mulheres modernas e suas questões. Além dessa pitada humorística, a obra também segue os caminhos da literatura nerd.

O livro possui uma estrutura interessante. O autor chama de “Base 10”: capítulos curtos, com dez parágrafos cada um, cada parágrafo com cem palavras. Para Bruno dessa forma a leitura não fica cansativo, e também as pessoas leem menos devido às mídias digitais. Sim, isso é verdade.

O protagonista de historia é um cara de 33 anos, professor de literatura, chamado de Larry James Lurex. O cara não tem dinheiro mas não dispensa uma balada. Mora numa republica na cidade do Rio de Janeiro, na companhia de dois amigos Freddie e Leo e uma cadela chamada Ritinha. Larry sofre de uma doença: ESCS (Ereção Só Com Safadas). Se a mulher não se enquadra nesse perfil, ele não “funciona”.

Só que algo inusitado acontece. Larry se interessa por uma moça religiosa que foge totalmente dos requisitos que atendem a sua libido. Ela não é safada, leva a sério a sua crença e ainda seu pai possui cara assustadora. Isso perturba e muito o rapaz.

Os três amigos, os diálogos entre eles e as situações que vivem dão um tom de muito humor à narrativa. O vocabulário usado é bem típico de marmanjos. Se você é homem, evidentemente irá se encontrar nas trapalhadas em que se envolvem os personagens. E não são poucas.

A ideia do livro parece legal e é uma boa que alguém tenha tido esse insight. Gostei da proposta de estrutura escrita. Contudo a narrativa não me agradou. A coisa não fluiu. Eu esperava um pouco mais de conteúdo. Algumas partes são repetitivas e outras surreais demais.

Ainda assim, se você esta a fim de rir e ler algo pra relaxar a mente, fica essa indicação.

Resenha de Renato Neres, resenhista do Arca Literária

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here