Os Apóstolos do Apocalipse – Vitor Hugo B. Ribeiro

1
1914

Aventura. Suspense. Terror. Ficção Científica. Misturar esses ou mais elementos numa trama pode ser perigoso. Em dado momento uma coisa pode atrapalhar a outra e o texto perder o rumo, ficar sem sentido. Não é o que ocorre em “Os Apóstolos do Apocalipse”. O livro do Vitor Hugo B. Ribeiro (Editora Literata, 2014, 177 páginas) foi uma agradável surpresa. Prova de que a literatura brasileira também é de boa qualidade.

A trama se desenvolve na cidade de Campinas, interior de São Paulo no de 1984 e tem como palco central o ICCA (Instituto Campineiro de Computação Avançada). O local anteriormente foi templo de uma seita, ou religião que dá nome ao título do livro. Na década de 1960 a Polícia Federal fechou o ambiente onde se praticavam terríveis rituais e decretou o encerramento do grupo, com a prisão de seus seguidores.

Ricardo Morazzi, um jovem estudante da instituição que se estabelecera no antigo santuário, decidiu “queimar” uma aula e ir ao CPD, situado dois andares abaixo, realizar alguma atividade de programação. Procurando algum material, Ricardo acaba encontrando uma espécie de passagem secreta, e através dela ele escuta vozes e gritos.

Assustado o rapaz conta o que ocorreu, mas ninguém lhe dá crédito. Até que outra aluna acaba vivenciando experiência semelhante e os dois juntos resolvem investigar. A partir daí, uma série de fatos se sucedem e o(a) leitor(a) mergulhará, junto com os personagens numa viagem alucinante de volta ao passado e também em direção ao futuro.

Durante a leitura, achei que o autor se prolongou demasiadamente em alguns pontos. Mas ao final entendi que essa possível descrição prolixa era necessária para melhor compreensão dos personagens e fatos.

O final da trama foi para mim surpreendente. Não o desfecho do caso em si, mas o rumo que o autor deu aos personagens. Vitor Ribeiro foi extremamente inteligente. Uma “sacada” formidável.

Aconselho a voce, que leu essa resenha, a apreciar “Os Apóstolos do Apocalipse” na primeira oportunidade que tiver.

Resenha de Renato Neres, resenhista do Arca Literária

Um comentário

  1. Amei a resenha e me interessei em demasia pelo enredo do livro. Já está na lista de 2017.
    Um abração.

Deixe uma resposta para Priscila Marcia Mariano Cancel reply

Please enter your comment!
Please enter your name here