O Mundo de Quatorian – Cristina Pezel

0
744

O livro O mundo de Quatorian inicia-se com um mapa explicando a localização das terras de Quatorian,e narra ao leitor sobre as leis contidas no códice,sobre os sóis-azuis e das quatro gerações de Probatus,Crystallos,Jucundus e caldária.

 A história começa apresentando o embate entre Vorten – um Nogenciano -contra o Tugevus-da ordem Probusarte – durante o Post-Marana.

Vorten havia exigido o pequeno castelo e plantações onde Tugevus morava.

E aquele que vencesse o post-marana ficaria com as terras.

Mas Vorten não iria perder, ainda que fosse preciso trapacear, e, enquanto Tugevus caía mortalmente ferido numa emboscada, Teriva,seu filho,nascia na Caverna da Chegada,onde todos os bebê  nasciam naquele tempo .

 Quatorium conta para o leitor sobre história do perceptivo Teriva- filho de Alia e de Tugevus- e seu dom muito especial.

Quando seu pai morre na emboscada no post-Marana,Alia e o recém nascido teriva são obrigados a deixarem o castelo e suas terras.

Teriva,embora muito pequeno,diz que um dia vai devolver o castelo para sua mãe.

Eles passam a morar na casa de Salek e wola,que se tormam muito mais que pai e mãe para Teriva,e acolheram com carinho os dois.

Formavam,assim, uma pequena família.

Roghor era vizinho de Salek e tinha um filho-Vinich- e como a mãe dele morrera no parto, a mãe de Teriva(Alia) amamentou aos dois-Teriva e Vinich. Assim, os meninos foram criados juntos,quase como irmãos.

Um dia salek leva Teriva para fazer entrega de tapetes em Jucundus.

Segundo o códice, aquele que tiver quatorze sóis azuis, poderá ser um guardião, mas para isso precisa ser testado.

Teriva sonhava em ser um guardião.Ser guardião não é fácil porém:ele irá dedicar nove sóis-azuis  de sua vida ao serviço e,sendo assim,fazer por merecer terras e  propriedade ou ainda cem quatores de ouro e um lugar na Assembléia de Quatorium.

Para ser um guardião precisa ser testado no ritual para os aspirantes.

Cada Guardião tem um poder especial , e o maior de todos é o Puro Vitae.

Para ser um Guardião terá que ter o Vitae,visium,motio e Intuito.

Teriva possui os dons de Intuito e Lúmis.

Precisa-se de um cristal para ser testado com exceção da criança puro Vitae.

De séculos em séculos surge em Quatorium uma criança com esse poder.

 Teriva seria um Puro Vitae?

Se ele tiver esse poder, o que essa revelação trará para ele?

Ele conseguirá devolver o castelo à sua mãe?

Como e se conseguirá manter essa promessa que fizera para Alia, ainda tão pequeno, e se conquistará seus mais profundos desejos são os mistérios desse livro de fantasia.

Fantasia não é um dos meus estilos literários preferidos, e uma das razões é a criação de mundos com linguagem, formas de conduta de personagens, animais  e até nomes muitos diferentes e de pronúncia estranha.

Ainda assim, a autora construiu um mundo bem estruturado, com mapa das terras do mundo de Quatorian e apêndices ao final do livro, que explica a inter-relação entre os personagens, suas funções na trama e ainda situa o leitor sobre questões políticas, sociais e moeda, dentre outras informações.

Tenho dificuldade de assimilar os nomes dos personagens e apreender tantas informações, e isso dificulta um pouco a fluidez da leitura para mim.

Entretanto, O mundo de Quatorian possui uma história muito bem construída e coerente, e encantou-me bastante, a ponto de prender minha atenção depois de superada a estranheza inicial.

Um livro que irá certamente agradar aos apreciadores do estilo fantasia.

 Resenha de Michelle Paranhos, resenhista do Arca Literária e do blog Café Literatura

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here