Meu Vício – Kell Teixeira

0
347

             ” Ela o ama. E ele…bom, ele ama a cocaína.”

É com essa frase impactante que começo a minha resenha de hoje. Meu Vício é o primeiro livro da Duologia Meu Vício, é um livro new adult de romance com drama bem diferente dos quais estamos acostumados a ler; porém o enredo completamente próximo da realidade. Ultimamente tenho lido bastantes livros com temas polêmicos e através deles obtive alguns conhecimentos e conceitos pessoais diferentes do que eu tinha antes. Esse livro nos proporciona uma leitura diferente, forte, intensa, mas acima de tudo nos faz quebrar alguns paradigmas, questionar a vida e o mundo a nossa volta.

O que leva uma estudante de psicologia, filha de policial, criada em uma família tradicional a sentir-se atraída e se envolver com um viciado? Esse foi um dos muitos questionamentos que eu me fiz logo que li a sinopse do livro no qual me deixou muito curiosa para descobrir mais sobre essa história; porque Maycon não é apenas um viciado, ele também é um ser humano.

” Odeio o fato das pessoas me olharem com eu fosse apenas um viciado ou quando elas me chamam disso pelas costas. Elas se esquecem de que, antes de tudo, somos seres humanos e devemos ser tratados com respeito.”

Maycon Sebastian é um jovem filho de pais ricos, inteligentíssimo, estudante de Medicina, totalmente popular na faculdade, possui um humor ácido e sarcástico, cheio de teorias que no fundo sempre tem um pouco de verdade nelas. Maycon tem como grandes amigos Jayde e Robert, que também são usuários. Sua vida tinha tudo para ser perfeita; mas ele preferiu seguir o caminho errado das drogas, até que Elena surgiu na sua vida.

Elena Tyner tem apenas dezenove anos, foi criada tradicionalmente por sua família e por ser filha de policial sempre foi orientada a não se envolver com drogas, criando assim vários preconceitos e julgamentos no decorrer de sua vida. Ela estuda psicologia, é a queridinha dos professores e divide o quarto no campus da faculdade com o seu amigo Keven, no qual seus pais torcem para que tenham um romance.

Em um dos seus trabalhos da faculdade, Elena tem a terrível missão de entrevistar um usuário de drogas, algo totalmente atípico e fora da sua realidade; porém de uma forma inesperada ela acaba conseguindo a entrevista com Maycon Sebastian e a partir desse momento Elena começa a se questionar, a rever seus conceitos e preconceitos, passando assim a ver o outro lado da história. Elena não esperava que fosse se apaixonar pelo Maycon e quando cai em si percebe que está em um relacionamento que ninguém apoia; onde ela tem que presenciar dia a dia o namorado se autodestruindo sem poder fazer nada.

            ” – Por que você surgiu só depois que eu me perdi? – ele sussurra me olhando de relance. – Porque eu tinha que te encontrar – sorrio e o faço sorrir.”

O drama apresentado no livro é um verdadeiro tapa na cara da sociedade, muito real, forte e a Kell Teixeira soube desenvolver com muita maestria. É literalmente uma verdadeira história de amor, onde podemos ver o quanto Elena e a família de Maycon sofrem e lutam para tirar ele do vício da cocaína. O livro nos faz refletir e nos auto avaliar quanto aos julgamentos que fazemos em relação a usuários, mas também nos mostra que o problema é bem mais complexo do que pensamos e que não é tão simples como julgamos a recuperação de um viciado. É um livro que nos causa vários sentimentos, fui do amor ao ódio pelo Maycon, com ele eu sorri, chorei, consegui me colocar no lugar dos personagens e me imaginei pensando o que eu faria no lugar deles; mas após terminar a leitura garanto que tenho um amor indecifrável por ele. Meu Vício é tão bom que fica difícil expressar tudo que eu realmente senti lendo apenas nessa resenha, a ortografia é impecável, possui uma narrativa maravilhosa com pontos de vistas intercalados entre os personagens principais e também os secundários que agregam muito na história, a capa é simples mas muito tocante também, enfim é um livro que deve ser lido por todos para que vejam o outro lado e quebrem seus paradigmas e preconceitos.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here