Mariani Balland Christóvão

1
683

1. Fale-nos um pouco de você.
R. Estou aposentada como docente e dedico-me ao labor de escrever, cuidar de orquídeas, projeto ONG Expresso Ação, atividades educativas na I.Irmãos Menonitas.

2. O que você fazia/faz além de escrever? De onde veio a inspiração para a escrita?
R. Minha inspiração em escrever é que desejo canalizar as mil ideias e imaginações que sempre povoaram minha mente e brotam em sensações passadas e presentes de desejos de expandir isso que sinto e comunicar com o mais além do aqui e agora, mais de mim.

3. Qual a melhor coisa em escrever?
R. É reconhecer que posso fazer algo útil e fantasticamente além de mim.

4. Você tem um cantinho especial para escrever? (Envie-nos uma foto)
R. Escrevo em muitos lugares frases e principalmente no meu quarto e sala conjugada.

5. Qual seu gênero literário? Já tentou passear em outros gêneros?
R. Escrevia artigos pedagógicos, poesias, contos, dissertação do mestrado e tese do doutorado..

6. Fale-nos um pouco sobre seu (s) livro (s). Onde encontra inspiração para título e nomes dos personagens?
Meu livro e ainda não publicado 1- Desatando nós. Das experiências existenciais e de como as circunstâncias me auxiliaram superar muitas das minhas dificuldades.
2- Sempre te vejo em minhas janelas – Como o desejo em vencer nos impulsiona a fazer caminhos inusitados, complexos e de verbalizações complicadas e por isso simplificar-se nos auxilia a nos entender e de ser entendida .
3- Sissi: Um pássaro extraordinário – Um apego muito singelo com um calopsito que aparentemente é igual a muitos, mas singular e único dentro de um contexto emocional e de pura emoção.

7. Qual tipo de pesquisa você faz para criar o “universo” do livro?
R. Como sou mestra em História e li muito sobre Historiografia de Annales, me fez/faz toda diferença em imaginar e escrever além…

8. Você se inspira em algum autor ou livros para escrever?
R. Umberto Eco, Peter Ginsburg, John Bunyan, Cecelia Ahern, Tucci Carneiro…

9. Você já teve dificuldade em publicar algum livro? Teve algum livro que não conseguiu ser publicado?
R. Sim, pois nem apresentei nenhum a nenhuma editora. Tenho muitas questões familiares que priorizo.

10. O que você acha do novo cenário da literatura nacional?
R. Excelente e a retorno de muitas pessoas as leituras e ao mundo do exercitar a mente e imaginar além dos filmes e da televisão.

11. Recentemente surgiram várias pessoas lançando livros nacionais, uns são muito bons, outros nem tanto, outros são até desesperadores, o que você acha sobre este boom?

R. Se faz necessário todos querem se revelar quem é e o que faz. Muitos são entendidos outros nem tanto. Mas o importante que há uma constante em querer apresentar o mundo sob sua óptica e de serem porta-vozes de um tempo.

12. Qual sua opinião sobre os preços elevados dos livros nacionais?
R. Mercado da oferta e da procura. Vivemos num mundo capitalista e normal esse agita e sordidez.

13. Qual livro você falaria: “queria ter tido esta ideia”?
R. O queijo e os vermes. Pesquisa, revelação e ser agente de mudança de uma consciência social.

14. Se tivesse que escolher uma trilha sonora para seus livros qual seria? (nome da música + cantor)
R. 1973 – James Blunt – My life is brilliant. – James Blunt

15. Já leu algum livro que tenha considerado “o livro de sua vida”?
R. Muitos livros e vários pedaços de mim neles ali revelado.

16. Você tem novos projetos em mente? Se sim, pode falar sobre eles?
R. Sim, escrever mais e mais e haverá o dia que me encontrarei também pela persistência e resistência em me entender e assim mais pessoas se entenderam também.

17. Você acompanha as críticas feitas por blogueiros nas redes sociais? O que você acha sobre isso?
R. Sim. Julgar faz parte do ser humano e as criticas enriquecem quem pretende melhorar.

18. Se pudesse escolher um leitor para seu livro (escritor, alguém que admire) quem seria?
R. Kelli Regina Gonçalves dos Santos Assunção, Almyr Sater, Milton Nascimento, Hanna Rosvita Scheffer, Santino Christóvão (meu esposo que odeia leitura e poemas).

19. Qual a maior alegria para um escritor?
R. Dar um pouco de si em cada história, doar mais do seu ego e assim esse vai se desapegando de coisas sem importância e selecionando a cada etapa o que realmente é importante.

20. Deixe uma mensagem a nossos leitores e para aqueles que estejam iniciando no mundo da escrita literária.
R. Não se engane a simplicidade é uma arte difícil de exercitar, muitas vezes precisamos nos reconstruir para aprimorarmos nossa essência do ser.

Um comentário

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here