A Máquina de Contar Histórias – Mauricio Gomide

0
567

Até que ponto a carreira é mais importante que a família nos fazendo abrir mão de sentimentos tão nobres?

Vinícius é um bem sucedido escritor e no dia em que lança seu mais aguardado livro, A Máquina de Contar Histórias, sua esposa Viviana morre em um hospital. Vítima de Câncer, ela conta apenas com sua filha mais velha, Valentina, que a acompanhou até seus últimos dias.

Vinícius recebe a notícia do falecimento da esposa durante a festa do lançamento do livro e se vê sem chão. O escritor best-seller mantém uma vida paralela à família por conta de seu trabalho. Ele se impõe um ritmo constante de escrita, calculando inclusive quantas palavras deve escrever por dia, como uma Máquina de Escrever.

Valentina, a filha mais velha de 16 anos, tem uma profunda revolta do pai devido a seu afastamento.

Vinícius retorna para casa e tenta a todo custo reconquistar o amor de Valentina e de Vida, a caçula de quatro anos.

O livro é narrado em terceira pessoa e encanta pela simplicidade do texto. Sua história facilmente se identifica com qualquer pessoa, nos fazendo pensar de acordo com a visão dos envolvidos na problemática do tema.

Os personagens são bem estruturados e cada um possui sua história, até mesmo a pequena Vida que tem menos participação, marca por sua personalidade infantil.

Adorei o livro e me identifiquei com vários personagens em momentos diversos. Li uma resenha que dizia que Vinícius comprou as filhas com a viagem. Defendo dizendo que nem de longe ele poderia ter comprado as filhas com viagens e presentes, pois a família era muito rica, e as crianças não careciam desses mimos. Ele proporcionou a convivência familiar que há tempos havia se perdido e que nem um dinheiro no fundo pode comprar.  E todos saíram lucrando, inclusive ele mesmo, adulto cabeça dura, e por isso mesmo, cheio de culpa.

Sem falar os lugares que ele escolheu para levar as meninas, que o autor traçou uma relação muito inteligente com a trama da história. Muito interessante mesmo!

A história é belíssima e emociona as partes em que vemos o tanto que Valentina, a filha revoltada, tem do pai, e como podemos aprender com os filhos.

A lição que o livro deixa é a importância da convivência familiar. O quanto abrimos mão do amor dos pais e filhos para correr atrás de carreira, nos endinheirando para no fim não termos como usufruir.

E principalmente a mensagem mais importante, que sempre devemos fazer de tudo para corrigir um erro.

É um livro pequeno, mas nem por isso de menos valor. Muito pelo contrário, o valor construtivo que essa leitura me deixou foi muito grande.

Não conheço outras obras do autor, mas agora irei procurar para ler.

Foi um dos melhores livros que li em 2014 e recomendo.

Resenha de Debora Paiva, resenhista do Arca Literária

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here