Grimm Reaper – Jornada da Morte

0
579

Sinopse: A morte espreita, à nossa espera, e nos chama a cada dia. Ruas sem saída, dimensões inimagináveis… É fácil vivermos sem nos preocupar em olhar o que está além do mundo visível aos olhos e não prestarmos atenção nos seres encapuzados que transitam ao nosso redor.
As criaturas andam entre nós e ao morrermos, elas conduzem as nossas almas. Quando caímos no abismo mortal, não há mais como voltar.
Ver além do obscuro. Além do celestial.
“Porque a vida às vezes pode ser um pesadelo pior do que a própria morte.”


Resenha: A jovem Amy inicia seu retorno a São Francisco onde mora com seu pai, após ter passado o verão com a mãe em Oakland.

 Como já fez essa viagem tranquila de lancha pela Baía de São Francisco,relaxa e aproveita para  ligar  para sua amiga Kay; estão ansiosas por se reencontrarem após as férias de verão e contarem as novidades.

Em seguida, conversa com seu pai por telefone e diz que chegará logo.

Tudo parecia perfeito, não fosse a tragédia que se anuncia: o tempo muda,aproxima-se tempestade e sofre um naufrágio.Amy sabe que são seus últimos momentos;sente a água ocupando seus pulmões e ela sente-se sufocar;não consegue mais  respirar e finalmente,perde a consciência.

Quando retorna a si, Amy está no hospital.

 Ainda confusa e sob efeito de sedativos, pensa ver um uma sombra enegrecida- um vulto com uma capa negra. Pensa ser uma alucinação, mas a presença é tão real…

Outros vultos se aproximam, ela quer gritar, mas acaba desmaiando.

Assim que melhora de seu quadro, volta à escola, e a rotina razoavelmente se reinstala, embora seus amigos se tornem um tanto protetores e os demais colegas a passem evitar por ter sobrevivido ao naufrágio.

 Até que inesperadamente depara-se com uma situação incomum e aterradora: uma mulher comete suicídio na sua frente e Amy vê quando aquele mesmo vulto que vira anteriormente no hospital leva a mulher embora, enquanto o corpo da mulher permanece no chão.

Esse é o ponto de partida desse romance que reúne elementos misteriosos e sobrenaturais para jovens, narrado em primeira pessoa e em tempo real (presente), o que aumenta ainda mais o clima de suspense.

O livro se passa nos Estados Unidos e a abertura do livro, com a foto da Baía de São Francisco em tons de cinza, além de páginas diagramadas contendo borrões de tinta em negro, aumenta ainda mais o clima de mistério e ambienta bem a trama.

Além disso, há sutis referências de costumes americanos, o que ajuda a traçar uma ambientação com os Estados Unidos, como o jogo de futebol americano; a disputa pelo título de rei e rainha do baile e a forma de Amy relacionar-se com os pais pelo nome próprio-Costume difundido naquele país.

Apenas uma referência soou estranha, quando foi mencionada lancha atravessando a baía de São Francisco e a voz do capitão dizendo para os passageiros e tripulação colocarem coletes salva-vidas. O termo usual dessa embarcação seria Ferry Boat- termo que não tem uma definição especifica em português e poderia ser livremente traduzido por Balsa.

Entretanto, as autores optaram pelo termo lancha,o que não prejudica em nada o texto,porém cria uma pequena confusão para leitores acostumados com termos náutico,gerando alguma interferência na imersão do leitor na atmosfera da narrativa.

 O livro é bem interessante e irá agradar em especial ao público jovem. A trama proporciona muitas surpresas e mistérios para o leitor.

Resenha de Michelle Louise Paranhos, resenhista do Arca Literária e do blog Café Literatura

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here