Frigid – J. Lynn

0
363

“Todas aquelas vezes que eu

quebrei seu coração,

e ela ainda estava aqui.

Ela ainda estava aqui.”.

(J. Lynn, in: Frigid , 2013)

 Sydney Bell e Kyler Quinn tinham tudo para nem ao menos serem amigos. Syd, uma garota mirrada e introvertida é o extremo oposto de seu melhor amigo, o atlético e festeiro Kyler. Contudo, a amizade de infância continua imutável mesmo com as atribulações da vida universitária.

Mesclando os pontos de vista dos dois protagonistas, a escritora norte-americana J. Lynn – um dos pseudônimos de Jennifer L. Armentrout, autora também de “Wait for You” (2013, editora William Morrow Paperbacks, 384) – brinca com os diferentes significados do título “Frigid”. Relativo ao frio, gelado, congelante, a palavra frigid também pode tem a conotação de pessoa fria, frígida, denotando mais especificamente as mulheres com dificuldades sexuais.

Amargando a vergonha sobre os boatos espalhados por seu ex-namorado a respeito de sua malfadada primeira experiência sexual, Syd acaba isolada por uma nevasca, em companhia apenas de Kyler, em um resort onde passariam o recesso das festas de fim de ano esquiando com amigos. O isolamento e os perigos trazidos pelo frio e por ameaças humanas, que podem ser ainda mais aterrorizantes, obrigam ambos a repensar seu relacionamento.

Enquanto o mulherengo Kyler, famoso por suas relações sem compromisso, coloca a garota num pedestal, Syd se sente a pessoa menos desejável do mundo por ser a única mulher da universidade que não foi alvo de suas investidas. Temendo estragar a longeva amizade, os dois protagonistas com autoestima rebaixada precisam lidar com seus problemas para aceitar o amor que um nutre pelo outro secretamente.

A trama não possui a profundidade apresentada pela autora em “Wait for You”, exigindo uma pitada de leniência por parte do leitor. Afinal, será que sem luz, aquecimento, comunicação e tendo a casa rondada por desconhecidos, a maior preocupação seria a vida amorosa? Talvez somente hormônios recém-saídos da adolescência para conseguir justificar tanta tensão sexual.

Contudo, além da leitura ser leve e rápida, o livro é perfeito para aquecer uma noite fria com suas cenas bem apimentadas e muito bem escritas. É nesse cenário inóspito que a autora consegue transformar o “gélido” em “quentíssimo”.

Falando em “hot”, apesar de o livro possuir um enredo completo, é o primeiro volume da série “Frigid”. O segundo livro, intitulado “Scorched”, será dedicado a Tanner, o amigo bombeiro de Kyler. Se em meio à neve, a autora já fez pegar fogo, imagina o que não acontecerá em um quartel.

Infelizmente, essa série ainda não está disponível em português. Enquanto as editoras brasileiras não nos agraciam com esse lançamento, “Frigid” em inglês, tanto no formato físico quanto no digital, pode ser encontrado na livraria virtual Amazon.

Gostam de livros que se valem de épocas específicas do ano como pano de fundo para suas tramas? Acredito que esse seja o primeiro que eu li sobre o Natal. Vocês conhecem outros livros com a mesma temática? Conte nos comentários.

 signature

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here