Extraordinário – R. J. Palacio

10
2356

“Se você tiver que escolher entre estar certo e ser gentil, escolha ser gentil”

 

        Todos nós somos capazes de causar realizações grandiosas em nossas próprias vidas e nas das pessoas ao nosso redor também.

        Deixar de lado preconceitos, primeiras más impressões, arrogância e a superficialidade, é essencial.

        Aparência não define o grau de inteligência de uma pessoa, o caráter, a simpatia, a saúde.

        Todos nós somos iguais: sofremos, choramos, somos felizes, amamos. Não há motivos para rejeitar alguém só pelo simples fato da aparência daquela pessoa não te convém.

        Todos nós somos extraordinários.

        O livro é escrito em primeira pessoa e começa sendo contata pelo ponto de vista do August que é uma criança de 10 anos que nasceu com deformidade, e desde pequeno sempre teve de conviver em volta do preconceito gerado por sua aparência. Seus pais e irmã são superprotetores. Vendo isso seus pais resolveram dar aulas a ele em casa para ele não ter de passar por situações dolorosas que poderiam ocorrer caso viesse a ter convívio com outras pessoas que não o conhecessem.

        A história começa quando August tem de começar a cursar o quinto ano, e como sua mãe não tem estrutura para ensiná-lo a nível mais avanço se ver no impasse de lhe matricular numa escola local, mesmo por contra vontade.

        Com isso o diretor da escola junto com a coordenadora – tocados pela história – se movimentam a ajudá-lo na entrada na escola, de início selecionando três alunos a dedo que possam deixar August à vontade, para mostrar a escola antes do início das aulas.

        A pior coisa que uma criança pode se passar é o primeiro dia de aula onde não se tem ninguém conhecido, por envolver questões do tipo “com quem devo falar?”, “Será que vão gostar de mim?”, entre outras coisas, para o August não foi diferente, contanto com sua aparência piorou ainda mais, tendo de ver como as pessoas o julgam, sentem nojo e repulsa dele antes mesmo de conhecê-lo a fundo.

        Summer é uma das personagens que os leitores sempre vão adorar de início, pois ela torna-se a primeira amiga dele sem julgá-lo por sua deformidade facial.

        Com o passar da história e para ajudar a crianças a serem gentis o professor de inglês, Sr. Browner, lança preceitos num movimento a favor da gentileza.

        As perspectivas dos outros personagens são justamente para mostrar o ponto de vista de cada um em relação a August e como eles os fazem ver as pessoas de forma diferente, quebrando preconceitos.

        Antes do final do livro, as perguntas que ficam são:

        Será que August conquista a todos aos mostrar que sua aparência não diz respeito a quem ele é por dentro?

        Mas fique sabendo que:

 

“Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo.”

signature

Resenha de Fernando Mello

10 Comentários

  1. Vou colocar na minha lista de leitura, a resenha chamou minha atenção, preciso ler antes de sair o filme.

    • Pois leia meu querido, porque esse livro é sensacional, algo que acho que o filme não vai conseguir ser.

  2. Tá ai um livro que só leio boas críticas, mas ainda não li, embora a vontade seja grande, ele acaba perdendo a prioride para algum lançamento.
    Acho que é hora de tirar o danado da estante e finalmente conhecer a história.

    • Pois não perde tempo Andreza, pois o livro é ótimo, é uma lição de moral e de aceitação. Foi um dos livros que li e me emocionei bastante.

  3. Obrigado. Sim, é muito interessante a forma como ele lidar com a sociedade que ele não convivia tento de lidar com o preconceito e a rejeição por conta de sua deficiência. A autora soube escrever de maneira que nos faça refletir.
    Abraços.

  4. Muito legal a sua resenha, fiquei curiosa para descobrir o final e como August vai lidar com o mundo novo que ele vai descobrir ao sair para o convívio com pessoas que não são da familia dele e como a presença dele será importante para transformar a vida e forma de pensar das outras crianças, pois isso certamente irá acontecer. Muito bom. Parabéns pela resenha.

  5. Verdade Joane, vivemos num mundo onde tudo é muito superficial, só é aceito o que é agradável aos olhos. é uma cultura que se deve mudar.
    abraços

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here