Erika Gouveia

0
354
  1. Fale-nos um pouco de você.

Não há muito o que ser dito, ao contrário das minhas amigas autoras, não sou formada, não fiz faculdade. Sou somente uma mulher que conheceu o marido aos quinze anos, casou-se aos vinte e aos vinte e dois já era mãe. Tenho três filhos incríveis e vivi para eles a vida toda. Sou dona de casa, esposa e mãe, em tempo integral, não estou desmerecendo a função, jamais, acredito que seja um emprego que deveria ter registro em carteira e todos os benefícios pagos rs

  1. O que você fazia/faz além de escrever? De onde veio a inspiração para a escrita?

Absolutamente nada. Cuidava da casa e dos filhos. Sei que vai parecer quase clichê, mas a escrita surgiu em minha vida como meu lugar seguro, minha ilha particular, para onde me permito ir para viver outras vida. Conheci o cristianismo muito nova, mas desde sempre, vivi em conflitos grandiosíssimos, pois ouvia pregações, lia a bíblia e quase sempre as condutas das pessoas ao meu redor, contradizia o que falavam. Sei que existe muitos cristões que seguem o evangelho e são pessoas que fariam Cristo morrer novamente de tanto orgulho, não estou generalizando. Mas minhas experiências no meio, só fez borbulhar dentro de mim, algumas questões que chocavam muito os cristões com que eu convivia. Uma noite, em uma das inúmeras conversas que tínhamos sobre o tema, perguntei se Deus pode perdoar o irmão x que peca e adultera, será que Ele perdoaria Lúcifer, acaso ele se arrependesse de coração?

  1. Qual a melhor coisa em escrever?

Ah, escrever é o rasgar da minha alma. Cada trama que começo, é como se ela ganhasse vida dentro de mim e conforme vou transformando-a em palavras, minha alma vai ganhando vida e quando me dou conta, já não estou mais ali, sentada com o note no colo, mas sou Naiara… Heylel… Cris… Bianca… Sou muitas vidas, vivo muitos amores, entro em vários combates.

Me sinto viva!

  1. Você tem um cantinho especial para escrever? (Envie-nos uma foto)

Como eu disse, sou mãe de três crianças em idade diferentes rs Sou grata a Deus por ter me dado o dom de simplesmente me desligar do mundo ao meu redor e mergulhar na escrita, porque o pequeno de seis anos, fala loucamente rs e viva o tempo todo contando mil historias ((puxou a mãe rs)) o do meio é mais quieto, mas quando precisa, toma totalmente o meu espaço e a adolescente, bem, é adolescente né rs tem suas crises e loucuras da idade. Então eu escrevo em qualquer lugar e a qualquer momento. Ligo o note sobre a mesa e vou escrevendo enquanto faço o almoço de domingo por exemplo, ou vou para o quarto e escrevo sentada na cama ((como estou fazendo agora)), ou escrevo na sala, com a televisão ligada e o Finn duelando com alguém, com a Hora de Aventura no último volume rs

  1. Qual seu gênero literário? Já tentou passear em outros gêneros?

Amo a fantasia, exatamente por me permitir viajar no sobrenatural. Quando estava escrevendo Herdeira, o segundo livro da Trilogia Tenebris, vivi um bloqueio horrível, então comecei a escrever Uma Nova Mensagem, só por brincadeira mesmo e para tirar meu foco da trilogia, e eu adorei rs é um hot com uma trama bem montada, super gostoso de ler, onde as cenas de sexo são quentes e bem detalhadas, mas como a base difere um pouco de alguns hots que já li, o leitor se pega querendo saber o que acontecerá com os personagens e o foco não é mais as cenas picantes. Enfim, amei.
Quando achei que ficaria na fantasia e no hot, passei um tempo internada com a minha mãe no hospital e estava em um momento tão fragilizada, vendo tantas pessoas sofrendo por perder seus entes queridos, sabendo que famílias seriam destruídas com as situações que via ao meu redor, comecei a escrever Eu Aceito, que seria um conto, somente para colocar para fora a bagunça que estava meu emocional naquele momento, mas a história começou a ganhar vida e hoje, Eu Aceito está sendo o meu xodó e a cada página que escrevo desse drama, dessa história de amor e de superação, me apaixono um pouco mais.

  1. Fale-nos um pouco sobre seu (s) livro (s). Onde encontra inspiração para título e nomes dos personagens?

Quando comecei a escrever Tenebris, não consegui ignorar o meu lado cristã ((graças a Deus por isso)), pois foram as minhas dúvidas e questionamentos sobre a bíblia que me levaram a escrita. Quando acabei Tenebris me perguntei o que realmente queria passar com aquele livro, então entendi que só tentei dizer que quando você é um ser humano bom e de caráter, sua luz vai brilhar na escuridão, e isso indefere da sua religião. Por isso o título vem de Lux in Tenebris, a luz brilha na escuridão. Todos os nomes dos personagens tem um significado, tem um porque, cada personagem tem características do nome que carrega. Mas Heylel, sem dúvida alguma, é o mais forte e mais lindo.

Heylel é o nome hebraico de Lúcifer e quer dizer, estrela da manhã, aquele que traz a aurora, que anuncia o novo dia. Tão forte e tão carregado de significado, ele era a própria luz e deixou as trevas dominar seu coração.

  1. Qual tipo de pesquisa você faz para criar o “universo” do livro?

Nenhuma rs

Sei que vão querer me matar agora, mas a princípio não faço pesquisa alguma, o que acontece comigo – e lembre-se que esse é o meu jeito de escrever, não que seja certo ou errado, é somente o meu jeito – é que começo a escrever, dar vida as minhas ideias e no decorrer da trama, pesquiso sobre o assunto que quero abordar naquele parte em especifico, e só.

  1. Você se inspira em algum autor ou livros para escrever?

Em livros não, mas em autor sim. Sou apaixonada pela forma que o marido da Pepper a “chamou” para fora do casulo em que ela estava vivendo, o jeito que ele apoiou e deu a ela a chance de simplesmente voltar a viver. São as autoras nacionais, não desmerecendo as estrangeiras, que me enchem de força de vontade para continuar lutando e acreditando que um dia, dará certo também para mim.

  1. Você já teve dificuldade em publicar algum livro? Teve algum livro que não conseguiu ser publicado?

Não acredito que exista essa dificuldade no mercado literário nacional. Você envia o seu original e ele será aceito em alguma editora, isso é um fato. O que acontece no nosso cenário é que infelizmente as grandes editoras preferem investir em nomes já consagrados e não voltam seus olhos para autores iniciantes e temos ótimo autores em nosso país, que não deixam nada a desejar para os de fora.

Então, todos os originais que enviei, foram aceitos. Sou grata a Deus por todos eles terem sido aceitos em editoras bem conceituadas no nosso meio, mas que precisam cobrar um valor alto para conseguir se manter no mercado, dificultando assim a publicação, isso claro, no meu caso.

  1. O que você acha do novo cenário da literatura nacional?

Gosto do que vejo. Jovens que tem mergulhado na escrita e deixado a mente ocupada por coisas boas.

Claro que assim como em toda a “profissão” existe autores excelentes e outros não tão bons, mas ao meu ver, o que realmente importa e que se aquele momento de escrita, gerar alguma alegria para a pessoa atrás da tela no computador, então está ótimo. Acredito que exista público para tudo e o livro que aos meus olhos de leitora não é tão bom, vai agradar a outro e não somos ninguém para julgar.

  1. Recentemente surgiram várias pessoas lançando livros nacionais, uns são muito bons, outros nem tanto, outros são até desesperadores, o que você acha sobre este boom?

Voltamos para a pergunta acima. Quando existe alguém que escreve e outro alguém que publica mediante a pagamento, não há como filtrar.

Hoje, com R$ 500,00 você publica cinquenta exemplares independentes. Então deixo outra pergunta para nossos leitores: Se nossas editoras filtrasse de verdade os originais e investissem nos autores com potenciais, será que esse cenário não mudaria?

Acredito que se isso acontecesse, teríamos nacionais de qualidade invadindo o mundo literário, livreiros buscando por esses exemplares e nossos autores ganhando seu espaço e consequentemente, os novos autores, buscariam melhorar cada dia mais, para então ser aprovados também.

  1. Qual sua opinião sobre os preços elevados dos livros nacionais?

Não acho que são elevados, temos essa visão limitada de que o livro sendo nacional, não deve custar R$ 35,00 ou R$ 40,00, mas porquê? Se esperamos meses, compramos na pré venda e pagamos mais de R$ 50,00 por um livro estrangeiro? Porque não podemos valorizar o que temos em casa? Não entendo de coração, a mania que temos de achar que o nacional deve ser vendido a preço de banana.

  1. Qual livro você falaria: “queria ter tido esta ideia”?

Oh céus que complicado rs

Li a pergunta e imediatamente pensei em meus favoritos, mas pensando bem, não queria ter escrito eles não, pois os amo como leitora. Mas queria ter escrito a Saga Crepúsculo, só para ter deixado o carro esmagar a Bella no primeiro livro e dar ao Jacob um amor só dele. Os Cullen que morressem de sofrimento e dor em outro lugar rs. ((Desculpem, sou rancorosa demais rs))

  1. Se tivesse que escolher uma trilha sonora para seus livros qual seria? (nome da música + cantor)

Sou péssima nisso, será minha resposta mais curta rs. Passei a vida ouvindo gospel e hoje ouço sertanejo, então não vejo uma única música que possa se encaixar em meus livros rs

  1. Já leu algum livro que tenha considerado “o livro de sua vida”?

Sim e não.

Comecei, mas não consegui terminar, pois ele me abalou de tal forma, que não consegui administrar o livro em minha vida.

O melhor de mim, do Nicholas Sparks.

  1. Você tem novos projetos em mente? Se sim, pode falar sobre eles?

Tenho muitos rs

Sou uma mente inquieta e o que desejo é grande demais, luto muito para que esses sonhos aconteçam. Estou com uma proposta ótima para lançar a Trilogia Tenebris, mas não consigo arcar com o valor, infelizmente, então estamos com dois projetos, que no momento está sendo não somente o meu foco, mas o foco de todos os meus parceiros – que por sinal, são os melhores parceiros do mundo. Estamos com a rifa e o catarse, os dois online e os dois voltados para essa publicação. Vou deixar os dois links aqui em baixo, caso alguém se interesse em sonhar ao meu lado ((Claro que se isso não for permitido, podem retirar a última parte.))

http://www.rifatudo.com.br/trilogia-tenebris-2018-1

https://www.catarse.me/trilogia_tenebris_livraria

  1. Você acompanha as críticas feitas por blogueiros nas redes sociais? O que você acha sobre isso?

Sim, acompanho. E algumas magoam rs

Hoje, lido melhor com as críticas destrutivas – pois existe algumas pessoas que escrevem e suas palavras parecem laminas afiadas querendo matar o autor – leio, analiso se há alguma verdade escrita ali, sofre algumas horas remoendo o que li rs e depois deleto.

  1. Se pudesse escolher um leitor para seu livro (escritor, alguém que admire) quem seria?

FML Pepper com certeza, já deu para notar que sou apaixonada nessa mulher né rs

  1. Qual a maior alegria para um escritor?

Não sei para os outros, mas quando comecei a ver meus livros, pelos olhos de outras pessoas e vi que poderia conversar com pessoas totalmente desconhecidas até então, sobre cada personagem que eu gerei, nossa, fui dormir muitas noites chorando de emoção. Esses são os meus melhores momentos com certeza.

  1. Deixe uma mensagem a nossos leitores e para aqueles que estejam iniciando no mundo da escrita literária.

Primeiramente quero agradecer por me receberem em suas vidas e ter me dado a honra de dividir suas horas e momentos tão particulares. Sou muito grata, não somente pela forma que receberam meus personagens em suas vidas, mas como os defendem e vestem a camisa de cada loucura que apresento. São vocês, leitores, amigos e parceiros, que fortalecem a minha base e me enchem de força e coragem para continuar.
Aos meus amigos autores, não desistam. Coloquem seus corações em cada página, façam o melhor e joguem ao mundo.

Sejam luz, brilhem na escuridão!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here