Entrevista com a Escritora Andrea Titericz

1
690

 1. Andrea para nós é um grande prazer entrevista-lo. Fale-nos um pouco sobre quem é Andréa Titericz.

 O prazer é meu Ceiça por estar aqui! Quando o meu sonho ainda era publicar, eu fantasiava com meu livro sendo divulgado na “Arca Literária”. Agora falar sobre mim é sempre embaraçoso!Bem, sou mãe, dona de casa, dentista, leitora e escritora!Sou uma pessoa que abraça suas paixões, mesmo quando sei que o tempo é escasso. E a literatura pra mim é minha paixão na vida, tanto ler como escrever é trazer emoções e vivenciar outros mundos e isso me deixa extremamente feliz!

 2. Qual seu estilo literário?

Digo que sou romancista nata que gosta de drama, personagens cheios de reviravoltas, com densidade psicológicas, românticos, mas que adora apimentar situações de nosso cotidiano.(rs) Atualmente surgiu esta subdivisão de romance erótico, embora para mim é romance contemporâneo.

 3. Qual seu público alvo?

Pensava no começo que seria apenas para os jovens adultos e de gênero feminino, mas me surpreendi com o números de pessoas maduras, acima de 50 anos que estão lendo, curtindo, me dizendo que nunca tinha lido um livro mais picante ou que não gostava, mas que adorou ler Mansion Rouge.

 4. Quais seus autores e estilo favoritos?

O primeiro escritor que teve impacto na minha vida foi Joaquim Manuel de Macedo com “A Moreninha”, eu adorei a história e reli várias vezes na adolescência, depois me apaixonei por José de Alencar com “Senhora”, na minha opinião o melhor do autor. Se for citar aqui a lista será grande, tanto nacional como internacional, mas atualmente tenho gostado muito de romances históricos e duas grandes autoras que leio muito são: Julia Quinn e Sabrina Jeffries.

 5. O que te inspira a escrever? Quando sentiu que estava pronta para publicar? Alguém a incentivou, como foi esta iniciativa?

Desde criança que Sou uma romântica sonhadora com uma imaginação fértil, e minha mãe sempre nos incentivava a ler, minha casa era cheia de gibis, livros de histórinhas, e peguei o gosto, agora quanto a escrever foi uma deliciosa descoberta terapeutica. Tinha alguns anos de ansiedade e depressão pela dificuldade que tive para engravidar e comecei a escrever em websites para ocupar a mente. E não é que deu certo, tive leitoras que me incentivaram, assim como minha família que acreditava no meu talento.

 6. Fale-nos um pouco sobre “Mansion Rouge – o primeiro amor é sempre agridoce”

A ideia surgiu para ser um conto e assim começou, entretanto tomou uma proporção grande e se tornou um livro. Gosto de histórias onde há um embate entre os protagonistas, e um dia amanheci com o personagem de Jorge montado na minha mente. Então comecei a discorrer e voilà!! (Rs)

 7. Andrea o que mais lhe inspira a escrever?

O que mais me inspira a escrever é o amor! Histórias dramáticas, românticas, instigadoras minha mente ferve com as ideias.

 8. Fale-nos sobre o atual momento literário do Brasil. quais as principais dificuldades que você encontra, hoje, para publicação de livros?

Vivemos o melhor período literário do Brasil, eu creio. O número de pessoas interessadas e que estão acessando este leque da cultura subiu muito. Prova disto são as inúmeras editoras de pequeno e médio porte que tem no mercado. E publicar ficou mais acessível, o mais difícil é a distribuição de seu trabalho.

 9. Quais são seus projetos literários? teremos novidades para 2015? Quais?

Muitas novidades! Estou escrevendo Doce Conexão que é o livro 2 de Mansion Rouge e Feliz Aniversário que inicialmente será somente em ebook.

 10. Quais os maiores problemas encontrados pelo autor na publicação de seu livro?

Acredito que é a questão financeira, apesar de estar mais fácil publicar seu livro ainda o custo é salgado, porque a maioria das editoras fazem publicação compartilhada, que demanda um investimento por parte do escritor.

 11. Dê uma dica para os jovens escritores nacionais que querem ter seus livros publicados.

Estudem e perseverem! É o conselho que dou, tente melhorar sua técnica, se não ficou bom refaça, aceite as críticas como forma para melhorar sua escrita. E não desanime quando a porta da editora não abrir… O momento certo, com trabalho e dedicação, sempre chega!

Beijinhos no coração e obrigada novamente pela oportunidade!

Um comentário

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here