Ed. Revan

0
604

UPP: O NOVO DONO DA FAVELA (CRIMINOLOGIA DE CORDEL 4) – Cadê o Amarildo? : Este livro é o quarto volume da Coleção Criminologia de Cordel e faz uma denúncia pública dos abusos, arbitrariedades e violações a garantias constitucionais em favelas do Rio de Janeiro, por parte de policiais das Unidades de Polícia Pacificadora – UPPs. Contém 26 reportagens de Patrick Granja para o jornal A Nova Democracia. A maioria dos artigos possui um vídeo-reportagem correspondente. Vídeos que expõem imagens extremamente elucidativas sobre o ambiente irrespirável da “pacificação”.

HISTÓRIA DO CONE SUL: Organizado por Amado Luiz Cervo e Mario Rapoport, este livro é uma acurada revisão crítica da história dos países do Cone Sul – Brasil, Argentina, Bolívia, Paraguai, Uruguai e Chile – e apresenta uma original perspectiva do tema, inserida nos novos tempos e oportunidades que se apresentam ao conjunto desses países.

UMA CAPITAL PARA A REPÚBLICA: Qualquer pessoa razoavelmente informada sabe que a capital de um país é a cidade das autoridades, da política. Esse atributo transparece para o cidadão comum de diferentes formas, seja pela presença física daqueles que formalmente exercem o poder, seja pelos símbolos que evocam a tradição histórica do país e de seus principais personagens. Na Europa, as cidades-capitais são por excelência pólos irradiadores de cultura e civilização para seus países. Na história norte-americana, os founding-fathers criadores do Estado republicano optaram pela criação de uma cidade pequena, apartada do resto do país, voltada exclusivamente para abrigar os poderes nacionais. Após vencer algumas resistências iniciais, Washington firmou-se como sede de governo, cresceu e transformou-se em show-place da nação norte-americana.
Na experiência política brasileira, estes dois modelos serviram de referência. Durante a época moderna, o Rio de Janeiro afirmou-se como Corte Imperial, ou seja, como a capital de um novo império nos moldes das congêneres europeias. Com a derrubada do regime monárquico, esse modelo de capital foi colocado em questão, assim como a permanência da cidade do Rio de Janeiro como sede do governo. Fundada sob a égide do federalismo, que pressupunha a descentralização do poder, a República não poderia conviver bem com um poder central forte, abrigado na então maior cidade brasileira, que exerceria sua influência sobre todo o país. Um novo formato, inspirado em Washington, deveria ser intentado.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here