Dias melhores Virão – Jennifer Weiner

0
655

A leitura desse livro me fez acreditar que muitas vezes a propaganda é mais interessante que o produto. Explicando, temos uma sinopse muito encantadora, onde achamos que iremos encontrar uma história divertida, fluida e cheia de cenas engraçadas. Mas pelo menos para mim ficou faltando muita coisa.

 O livro conta a trajetória de Ruth, que após sofrer um acidente quando criança e ter carregado cicatrizes e marcas que a deixou com traumas e uma péssima auto-estima, encontra na escrita uma fuga da sua realidade de tristeza e dor. Ela resolve escrever uma série que possa ser adaptada à TV, onde conta sua vida, seus traumas de mulher com peso acima da média e vida mediana. Com o seu projeto piloto ela consegue a atenção de uma emissora, e o seu sonho começa a tomar forma em um grande pesadelo.

 Eu comecei a leitura bem empolgada com essa trama, mas a personagem que a meu ver poderia ser mais madura passa parte do livro “reclamando dos traumas de infância”, e não toma nenhuma atitude que a torne uma personagem interessante. Assim como cresceu reclamando e nada fazia para melhorar ela faz o mesmo com o seu roteiro – que é mudado ao bel prazer da emissora e dos atores – e deixa ser levada pelos outros.

 A sua personagem se torna uma mulher anoréxica, e sua avó (que é a parte madura e fofa do livro) uma mulher de terceira idade e ninfomaníaca. Seu projeto se torna um grande equívoco, tudo o que ela queria foi moldado sem seu real consentimento. E o que fazer agora? Lutar pelo que acredita ou se deixar levar pela máquina de sonhos que é a TV?

 A melhor parte do livro é a parte de escolha de elenco, edição no roteiro, gravação, dores de cabeça e uma boa dose de decepção por parte da Ruth. De uma série que Ruth achava que seria algo autobiográfico, cria-se um roteiro estritamente comercial… Assim como tudo em Hollywood.

Apesar de ter um enredo criativo, Dias melhores virão deixou em mim a sensação de que esses dias (páginas) não chegavam, assim como o sonho da Ruth. Uma personagem fraca, e mal desenvolvida, que poderia ter dado certo se houvesse uma maior descrição de maturidade dela durante o decorrer do livro. A frase que resume o livro se destaca nele mesmo a seguir:

 “Achava que tudo se encaixaria. Mas mudei minha maneira de pensar. Se você não faz nada, nada acontece. A vida envolve decisões. Você as toma ou elas são tomadas por alguém, mas não é possível evitá-las.”

 O LIVRO EM UMA PALAVRA: DESPRETENCIOSO

MINHA NOTA: 3 (numa escala de 5)

PERSONAGENS: 3 (poderiam ser mais intensos e mais desenvolvidos)

CAPA: 4 (Simples e bonita)

DIAGRAMAÇÃO: 4 (bem revisto e traduzido)

ESTÓRIA: 3 (poderia ser mais curta)

 Resenha de Adriana Tavares, resenhista do Arca Literária e do Volto pra curtir

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here