DIÁRIO DE UM AUTOR – PARTE II

DIÁRIO DE UM AUTOR – PARTE II

1 400

376 Para o lançamento do Próximo livro

OS TIPOS DE VIOLÊNCIAS CONTRA AS VÍTIMAS

 

Anteriormente dei a introdução sobre em que problemática será inspirada minha próxima obra: Violência doméstica contra Crianças e Adolescentes. Falei sobre alguns pontos de consequências.

Neste irei especificar alguns tipos de violências.

Antes de qualquer coisa, quero ressaltar que semana passada eu tive um sonho onde estava dentro de uma memória do meu personagem principal dessa nova trama. O ambiente era completamente sombrio, em tom preto mesclando com o vermelho. Ele me pediu para segui-lo por uma rua deserta e caminhamos até uma casa, de frente cinza com um portão de alumínio. De repente, já estamos em outro ambiente, agora dentro da casa. E o vi, quando ainda criança, no canto da sala, de joelhos, de cabeça baixa, gemendo. Próximo dele, um homem batia em suas costas nuas com um pedaço de madeira, deixando marcas na pele da criança que era proibida de expressa sua dor com o choro.

http://eren.es/?esrof=ganancias-en-opciones-binarias&5a0=3c Não faça nenhum barulho!

O homem disse.

Olhei para o rapaz ao meu lado, compreendendo porque ele quer que eu escreva sua história. E me disse:

option igator trade Todos nós somos sobreviventes, porém, alguns desses “sobreviventes” morrem por dentro e levam suas vidas consumidas pelo vazio. Outros simplesmente seguem os passos de quem lhes fez mal. Vamos pôr um ponto final nisso. Dê-me o ponto final que preciso.”

O encarei. E novamente me vejo mergulhado no inferno psicológico de outro personagem, sendo empurrado para o abismo interno dele.

Antes mesmo que eu saiba o que aconteceu após a agressão, o despertado do meu celular me acorda, informando-me que é hora de levantar para mais um dia de trabalho na minha vida real.

Agora sabem como surge o processo de escrita de uma obra minha, necessariamente não crio a história, eles me mostram suas histórias e me pedem para expô-las.

Agora, voltando ao assunto do capítulo de hoje.

Para começar, vou pôr uma citação de Eliane Brum que expressa de forma sucinta o que um adulto representa na vida de uma criança:

“…as crianças confiam nos adultos. Confiam como uma bússola ou um oráculo. Agarram-se a seus atos e palavras como uma boia no oceano ameaçador de uma vida à qual recém foram apresentadas guida al mercato forex fonte(Brum E. Apresentação. In: : Violência Doméstica. p.5-7.)

Na psicologia é bastante enfatizado o papel dos pais na formação moral de seus filhos. Mostra que o comportamento e os atos dos pais servem como espelhos para suas crianças.

No Artigo “VIOLÊNCIA DENTRO DO LAR” Publicado em 15 de July de 2012 por  Leandro de Matos Rodrigues, disponível no link:  come far soldi http://webartigos.com/artigos/violencia-dentro-do-lar/92452#ixzz4sy1y167L

Ele diz que:

Muitas vezes os pais mostram um comportamento contraditório, porque sustentam um padrão para eles próprios e outro para seus filhos, ou porque eles próprios sustentam dois padrões e não reconhecem a contradição entre eles. O adulto que fuma e bebe, mas castiga a criança por assim fazer é um exemplo da categoria “faça como digo, mas não como faço”. Outro exemplo é o pai que repreende o filho por brigas e travessuras, mas faz alarde com seus amigos, violenta os pares de seu lar e se vangloria de seus atos. O filho provavelmente respondera aos sinais do orgulho do pai tanto quanto ao seu desprazer.  Assim fica evidente que a violência domestica é um ciclo vicioso que vai tomando novos aspectos à medida que vai sendo exposta na vida das crianças.

A violência contra crianças e adolescentes pode ser subdividida em:

http://lnx.autoinforma.it/index.php?option=com_jcomments Violência física

Tida como a mais frequente, o responsável, dependendo de pessoa para pessoa, vai variar desde uma palmada, a espancamento e na pior hipótese o homicídio. Alguns pais consideram a “palmada” uma forma educacional, a questão é “até que ponto uma palma é considerada um ato não doloroso?”. Há países em que a palmada é proibida por lei. Educar um filho com pancada nunca será um método de eficiência, não importa o que os velhos costumes acham, esse nunca foi o caminho certo, no entanto, essa cultura passa entre gerações.

speedbot trading Violência sexual

 Como foi visto no capítulo passado, os dados da binary option articles shg.gov.br, sobre essa prática, em 2016 teve queda de 0,10% de denúncias,  onde 2015 indicavam http://fisflug.is/?yrus=massaia-di-roma-opzioni-digitali&ab3=ae 11%  e em 2016 binäre optionen bokay template 10,90%, o que ainda é considerado alarmante. O abuso sexual inclui desde carícias, olhares perturbadores, até delitos de extrema violência e morte. Geralmente as pessoas mais próximas das vítimas são os agressores: pai, irmão, tio, primo. Pais adotivos apresentam o dobro de chance de cometerem tal crime.

Violência psicológica

É um tipo de agressão que pode ser considerada subjetiva, pois depende de cada ser. Algumas vítimas podem ver uma agressão física, mesmo que errado, como algo do seu cotidiano cultural(“palmada educacional”), já outras podem levar essa agressão como uma marca em sua pele e em sua mente, transformando-se num trauma. O mesmo vale para agressões verbais. São fatores que podem comprometer a personalidade da criança em seu desenvolvimento para fase adulta.

 

Negligência

Trata-se da questão dos pais não cuidarem de seus filhos, deixando-os de lado. Onde a criança sofre com a falta de alimentação, higiene, educação, apoio moral, etc. Mexe com a autoestima da vítima.

Os efeitos da violência doméstica contra crianças e adolescentes não é algo que possa se considerar pouco sério, os impactos não são de curto prazo. Os efeitos são de longo prazo, onde os traumas irão repercutir dentro das vítimas para sempre.

 

Referências:

“VIOLÊNCIA DENTRO DO LAR” Publicado em 15 de July de 2012 por Leandro de Matos Rodrigues, disponível no link: http://webartigos.com/artigos/violencia-dentro-do-lar/92452#ixzz4sy1y167L

Brum E. Apresentação. In: : Violência Doméstica. p.5-7.

Artigos similares

Um comentário

  1. Ótimo texto!
    Percebo a ação permanente contra qualquer violência, seja em adulto ou crianças.
    Um abraço, amigo.

Deixe um comentário