Crimes do Tarô – Leonardo Nóbrega

1
2217

A resenha de hoje é sobre uma história que se passa nos anos de 1930. Trama policial que envolve um elemento inusitado: cartas de tarô. Outros elementos vão compor o enredo da trama: um roubo bem sucedido, um assassinato sem explicações, um determinado grupo que exerce influência sobre o povo e alguém que anseia fazer a sua própria justiça.

Crimes do Tarô é uma obra publicada no ano de 2014 pela Premius Editora. São 333 páginas distribuídas nos 86 capítulos que compõem o livro. Escrito por Leonardo Nóbrega.

Primeiro, o assalto ao banco. A loira assaltante consegue fugir levando uma boa quantidade de grana. Conseguir deixar um guarda totalmente sem ação e provoca a morte de uma pessoa. Como possível pista, deixa duas cartas de tarô nas gavetas onde o segredo do cofre ficava guardado. O inspetor Tomás, responsável pelo caso indaga: de quem foi a ideia inteligente de deixar guardado o segredo do cofre exatamente próximo de onde ele fica?

Sem qualquer tipo de pista concreta e quase nenhuma informação prática que pudesse dar um norte para a solução do caso e localização da infratora, o inspetor apela para o único objeto que parece ser o caminho a seguir: as cartas. Dirige-se ao acampamento cigano, localizado na outra parte da cidade. Lá ele aprenderá que cada carta tem determinado significado, e é preciso saber interpretar. Tomás se vê num jogo complexo, pois outros crimes acontecem por toda a cidade, e novas cartas são deixadas nos locais, indicando que a autoria dos delitos é responsabilidade da mesma pessoa.

A loira misteriosa parece ter um padrão. Tomás chega a essa conclusão, que o induzirá a encontrar certas respostas: O que os crimes possuem em comum? Por que exatamente estas pessoas foram as vítimas? O que exatamente a ladra consegue ao praticar tais crimes?

A partir daí outras descobertas são sendo feitas. O que leva ao inspetor chegar a outra conclusão: nem tudo é o que parece e ninguém, absolutamente ninguém pode ser tomado como inocente.

O inspetor passará a contar com ajuda importante de mais duas pessoas: Carlos, outro inspetor que será incorporado na investigação após um misterioso incêndio, e Edith, funcionária do banco. Ela tem conhecimento de determinadas falcatruas que envolvem o seu chefe e pessoas poderosas da cidade.

É possível que o leitor ou leitora acostumado(a) com detetives estilo Sherlock Holmes e Hercule Poirot consiga decifrar a xarada antes de ser revelado o seu final. Basta prestar atenção minuciosa em que cada detalhe que aparece ao decorrer de toda a trama.

Como toda boa história policial deve ser, essa é envolvente, nos causa expectativa em saber do desenrolar dos fatos e do desfecho final. A leitura transcorre fluidamente. Não falta claro, um pouco de complexidade, elemento comum nesse tipo de gênero. Mas não deixa o(a) leitor(a) com parafusos a menos, na tentativa de compreender o que está se passando.

signature

Um comentário

  1. Que resenha massa! Eu conheci o autor na bienal de Fortaleza, e comprei este livro dele. Uma curiosidade sobre esta obra é que o Leonardo pagou uma cartomante para ajudá-lo em alguns pontos da história – como consultoria. Ele está na minha fila extensa de leitura que só vai voltar em ativa no final de novembro. Parabéns pela resenha!

Deixe uma resposta para Fernando melo Cancel reply

Please enter your comment!
Please enter your name here