Coisas de Lorena – Michelle Louise Paranhos

0
939

O mundo de Lorena é aquele livro que te encanta já pela capa! Uma menininha faceira e com cara de amor. Sabe aquela criança com quem toda a gente passaria uma tarde? Aquela que mesmo as pessoas mais difíceis conquista?

Foi isso que eu vi ao olhar a capa. E depois, bom, depois descobri um mundo maravilhoso para se estar.

Crianças especiais sempre foi uma paixão, o mundo delas é sempre tão cheio de cores e sabores que o de crianças e adultos “comuns”. Minha paixão em especial sempre foi a criança autista, mas agora me encontro apaixonada por um novo serzinho.

O livro poderia ser sobre uma mãe, sobre seus desafios, sobre seus encantos ao partilhar o dia a dia da filha, Lorena. Mas a Michele preferiu fazer algo além, o livro é na verdade da Lorena, sua filha. Apesar dos relatos não estarem em primeira pessoa-na voz de Lorena-permitem conhecer a realidade e “O mundo de Lorena”.

Na obra, após nos apresentar um pouco de Lorena, Michele relata os detalhes do nascimento, o primeiro ano, e a rotina estabelecida nesse período e um apelido muito curioso dado à pequena: Cotia Loura.

Briga entre irmãos é sempre uma coisa normal, mas tensa. E os relatos das ocorrências entre Lorena e Thiago é além de uma situação comum, uma deliciosa comédia. Tiago é quem dá suporte a mãe ao buscar Lorena na escola e, bem, é um prato cheio tal rotina.

As descobertas no mundo de Lorena tem um tempo completamente da garotinha. Ao que o resto do mundo pensa que já era, Lorena ainda pondera, calcula, analisa. O aprendizado escolar de Lorena também é feito de uma forma muito pessoal, e vale muito a pena conhecer a graça e a particularidade que a nesse mundo que é só dela.

Bom, conhecer uma a rotina de Lorena já é por si só uma agradável experiência, e observar cada vivência relatada é um tesouro, mas no meio da leitura me deparo com uma Lorena que carrega traços de algo que relatei lá em cima (autismo) ter particular paixão, e que pude observar, mas apenas comparando, até ter a confirmação da autora dos relatos, e isso é pessoalmente algo ainda mais prazeroso se acompanhar, de se aprender.  E que ler vai poder descobrir o que é ao voltar aqui, caso leia atentamente.

As ilustrações feitas pela própria Lorena enriquece a obra e traz intimidade a ela, o leitor que não conhece o caso em especifico, mas conhece a realidade de lidar com crianças especiais, vai gostar do contato, o leitor que não tem essa experiência (e até aquele que ainda guarda dentro de si algum conceito não fundamentado, mal concebido ou formado apenas pelo social não inclusivo) terá a oportunidade de perceber o quão normal é o trato com crianças especiais. Obviamente os desafios existem e são constantes, mas não torna a criança um ser de outro mundo, um quebra-cabeças indecifrável, nem uma esfinge “Decifra-me ou devoro-te”.

 Como a escritora afirma “Como mãe, possuo a maior plasticidade neuronal de todas: o desejo de comunicar-me com ela.”. Para mim essa é a coisa mais incrível do livro, o livro nos mostra uma série de situações na vida de uma criança diferente das “comuns” – porque não é comum uma criança ter uma síndrome, mas isso não a faz anormal, por isso me recuso a tratar as demais como normais em antônimo àquelas portadoras de alguma necessidade especial  – e prova que com o devido cuidado, interesse e amor não há barreiras que impeçam a comunicação entre pais e filhos ou família e filhos. E ao contrário do que vemos na mídia, envolver a criança em atividades cotidianas faz muito bem ao seu desenvolvimento em qualquer caso, dar a ela autonomia tanto quanto possível também.

O livro me encantou por ser um relato de uma rotina de uma criança especial e seu contato com o mundo bem como por ter a capacidade de mostrar uma nova visão sobre o convívio com crianças especiais. Tradicionalmente, costuma-se ter a visão de problema quando o assunto é a criação de uma criança especial, sabemos que os problemas existem, mas o que não se conta é que não são tudo. O mundo de Lorena permite essa nova visão, e a meu ver não só a permite, mas abraça-a.

Resenha de Joane de Souza, resenhista do Arca Literária

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here