Cerberus – entre cobras e ursos (vol 1) – Leonardo Monte

2
987

E o mundo foi em frente. Em um mundo totalmente diferente, em que a tecnologia ficou para trás e a humanidade tentava sobreviver, e sobreviver entenda por enfrentar criaturas que antes imaginava-se serem mitológicas: Seres extraplanares, vampiros, canibais, demônios e outros.

É nessa terra sem lei que os protagonistas Renan, Caio, João Pequeno, Sebastian, Ilian e Mônica vivem, lutando e batalhando por dias melhores.

Cérberus e o nome da Academia que prepara homens e mulheres que um dia enfrentarão as criaturas citadas anteriormente. É dirigida pelo Padre Izidro e entre o corpo de professores há muitos padres, pois nesses dias a Fé voltou a ser um produto valioso.

E é em Cérberus que vamos acompanhar o treinamento e desenvolvimento como pessoas de Renan e seus companheiros, cada um em seu próprio tipo de luta.

Durante as aulas e treinamento acontecem duas coisas que vão fazer a academia tremer, literalmente. Os jogos entre academias, pois a academia brasileira não é a única no mundo, tendo os húngaros, os russos, os americanos e os escoceses. São jogos que avaliam o quanto o treinamento está sendo útil. O outro fato é mais grave e mexe diretamente com a estrutura da academia. Um poderoso demônio foi conjurado, e pior, de dentro da academia, cheia de padres.

O aparecimento desse demônio fará com que a Fé seja abalada, e com que muitos alunos sejam colocados à prova, antes mesmo da hora de sua formatura, formando grupos e amigos que darão a sua própria vida pelo outro.

Leonardo Monte cria um universo rico e uma atmosfera propícia para uma distopia, e aparentemente com algumas influências, dentre elas me lembro de ter lido que o mundo foi em frente também em outro grande sucesso (A Torre Negra de Stephen King – só que lá eram pistoleiros os mocinhos).

Os capítulos curtos e ação contínua deixam a leitura ágil, mesmo em 368 paginas você nem percebe que o livro acaba e termina por pedir mais.

A capa foi muito bem feita. Só em alguns momentos no livro por conta da diagramação e revisão teve algumas falhas, que em nada diminuem o valor do livro.

Recomendo.

 Resenha de Antonio H. Fernandes, resenhista do Arca Literária e do Navio Errante

2 Comentários

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here