Carminha Morais, escritora de “Estou de olho em você”

0
738
  1. Fale-nos um pouco de você.

R: Sou Carminha Morais, tenho 63 anos de idade, sou casada e mãe duas vezes, avó de um casal de netos. Amo escrever, contar histórias, criar histórias baseadas na realidade da vida. Amo ler e sou escritora independente. E o mais importante de tudo isso, minha família é o bem mais precioso que possuo e Deus vem em primeiro lugar na minha vida.  

  1. O que vc fazia/faz além de escrever? De onde veio a inspiração para a escrita?

R: Sou Católica e  professo a minha fé, sou cantora e aplico esse dom que Deus me deu de graça, na missa aos Domingos e sempre que sou solicitada.Além de escrever e cantar,  sou dona de casa. tenho algumas músicas compostas por mim. A inspiração  para a escrita acredito,  tenha vindo da grande vontade de expressar meus anseios e dificuldades que passei na minha infância e adolescência. Como não tinha muitos amigos com quem desabafar, a maneira mais adequada foi ter os livros e revistas como companheiros.  

  1. Qual a melhor coisa em escrever?

R: Quando escrevo coloco para fora os meus anseios, meus sentimentos e frustrações de não poder ajudar as pessoas mais do que gostaria. Por me sentir realizada em todos os sentidos, não posso fechar os olhos e ouvidos para o sofrimento do meu semelhante.  Vivo num mundo cheio de maldades, pobreza e muito violento e isso me afeta emocionalmente.

clique na imagem para visualizar

  1. Você tem um cantinho especial para escrever? 

R: Ainda não, mas estou providenciando. No momento escrevo dentro do meu quarto e nem sempre tenho privacidade. Criar histórias, dar vida aos personagens requer concentração porque no momento da criação eu sofro, choro e ás vezes preciso deixar fluir meus sentimentos e se eu não tiver privacidade eles fogem de mim.

  1. Qual seu gênero literário? Já tentou passear em outros gêneros?

R : Escrevo romances e na maioria das vezes é um retrato da vida real.Já tentei escrever outros gêneros,mas  não adianta,o romance sai pelos meus poros rsr

  1. Fale-nos um pouco sobre seu(s) livro(s). Onde encontra inspiração para título e nomes dos personagens?

R: O meu primeiro livro não foi um romance, foi à biografia de um grupo musical da minha Paróquia.  “Memórias do  Ministério de Música Abba Pai”. Como já relatei, encontro inspiração na realidade da vida, histórias contadas por amigos, afinal com 63 anos de idade muitas histórias já ouvi, ouvimos  outras diariamente nas tevês e rádios e tenho muitas ainda para contar. Esse mundo, essa humanidade  é um prato cheio de histórias que podemos aproveitar. Os nomes dos meus personagens são escolhidos no momento em que falo sobre cada um, uso sempre o nome de amigos ou conhecidos e eles gostam de serem homenageados. Ex: Quando falo sobre advogados, tenho sempre em mente, meu marido, meu genro, amigos do meu marido. Eles adoram saber que me inspiro neles. 

clique na imagem para visualizar

  1. Qual tipo de pesquisa você faz para criar o “universo” do livro?

R: Quando escrevo algo que tenho dúvidas quanto à veracidade, como por ex: Datas dos acontecimentos, nomes de fundações, cidades citadas, vou sempre buscar na internet ou em livros que eu tenha certeza serem verdadeiras.

  1. Você se inspira em algum autor ou livros para escrever?

R: Não. Gosto  de escrever do meu jeito,tenho o meu estilo e sei que por muitos sou criticada por isso.Se eu seguir o estilo de outro autor me sentirei frustrada por não ser eu mesma. Já me disseram que escrevo igual ao Edney Silvestre, mas particularmente não vejo semelhança.

  1. Você já teve dificuldade em publicar algum livro? Teve algum livro que não conseguiu ser publicado?

R: Publiquei três livros pela Editora  Multifoco, por demanda.  Enviei alguns exemplares para outras Editoras, algumas me disseram: NÃO e outras não retornaram. Resolvi então arcar com os custos e publicar independente.

  1. O que você acha do novo cenário da literatura nacional?

R:  Sinto que   tem melhorado, mas poderia ser melhor se os livros não fossem tão caros. Infelizmente  o Brasil passa por momentos difíceis e o indivíduo  precisa  fazer escolhas do que é  prioridade na sua vida.

  1. Recentemente surgiram vários pessoas lançando livros nacionais, uns são muito bons, outros nem tanto, outros são até desesperadores, o que você acha sobre este boom?

R:  Isso acarreta transtornos e desconfiança, colocando a todos no mesmo patamar.  Prejudica os autores que levam a sério o seu trabalho.  

  1. Qual sua opinião sobre os preços elevados dos livros nacionais?

R: Portas abertas para a enxurrada de livros estrangeiros que muitas vezes ficam aquém dos Nacionais. O que vem de fora é sempre melhor do que o nosso.Pensamento retrógrado.Precisamos valorizar nossos autores.

  1. Qual livro você falaria: “queria ter tido esta ideia”?

R:  Engraçado,nunca pensei  nisso.   

  1. Se tivesse que escolher uma trilha sonora para seus livros qual seria? (nome da musica + cantor)

R:  Imagine – John Lennon

  1. Já leu algum livro que tenha considerado “o livro de sua vida”?

R: rsrsrr não, já  escrevi o livro da minha vida rrsr ”A menina que lia Livros do Lixo”

  1. Você tem novos projetos em mente? Se sim, pode falar sobre eles?

R: Todas as vezes que termino um livro digo sempre que é o último, mas  logo depois sinto um comichão e quando percebo já estou com outro no forno kkk. Terminei agora uma história, está sendo revisado e vou tentar mais uma vez enviar para uma Editora, será minha última tentativa, caso não dê certo continuarei na minha estrada solitária.

  1. Você acompanha as críticas feitas por blogueiros nas redes sociais? O que você acha sobre isso?

R: Sim. Tenho tido algumas frustrações com alguns blogueiros.  Pediam-me livros e não encontrava nada escritos sobre eles. Quando o livro lhes interessam eles compram. Acho isso injusto. Mas há os blogueiros  honestos. Criticar faz parte, não posso recriminar,eu também os estou criticando.

  1. Se pudesse escolher um leitor para seu livro (escritor, alguém que admire) quem seria?

R: Ana Maria Braga já leu os meus três primeiros livros e falou sobre eles no programa dela. Temos que valorizar quem nos ajuda.

  1. Qual a maior alegria para um escritor?

R: Posso falar por mim. Quando coloco nas redes sociais a foto do livro e alguém diz assim: Reserva o meu em! Sinal de que apreciam minhas histórias.

  1. Deixe uma mensagem a nossos leitores e para aqueles que estejam iniciando no mundo da escrita literária.

Olá!

Procurei responder a esse questionário com a mais profunda sinceridade. Deixei meu coração se abrir e ser o mais verdadeira possível. Para aqueles que ainda não me conhecem eu peço um voto de confiança. Leiam um livro meu e me conhecerão como verdadeiramente sou. Coloco nas minhas histórias o meu coração, os meus sentimentos. Aceito críticas daqueles que leram alguma coisa minha e tem conhecimento do que escrevo. Apesar de não gostar muito de criticar, aceito críticas de leitores que conhecem a minha escrita, aqueles que não me conhecem não dou muita importância ás suas críticas. Aos que estão iniciando na Literatura eu só tenho a dizer: Se esse é o caminho que você escolheu, se você ama o que faz, procure fazer o melhor. O caminho é árduo, encontrará muitos obstáculos e pessoas inescrupulosas, mas seja fiel naquilo que acredita e saiba discernir entre aqueles que querem te ajudar e os que só querem aproveitar das marcas que você deixa pelo caminho.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here