A Mulher Desiludida – Simone De Beauvoir

1
521

Filósofa, mulher de Jean-Paul Sartre e a mais famosa escritora feminista, Simone reuniu nesse livro três novelas de mulheres de meia idade que, repentinamente, enfrentam crise, solidão e fracasso. Na novela que dá título ao livro, uma esposa abandona a serenidade ao descobrir que o marido tem um caso. Em “O Monólogo”, ao passar o Ano Novo sozinha, uma mulher remói as frustrações que acumulou na vida.

Síntese
Simone de Beauvoir foi uma das vozes mais atuantes e autorizadas do feminismo no século 20, quase um emblema. Casada com o filósofo Jean-Paul Sartre, autora do polêmico ensaio “O Segundo Sexo” (1949), Beauvoir lançou em 1967, pouco antes de completar 60 anos de idade, sua melhor obra literária: “A Mulher Desiludida”.

O livro reúne três narrativas sobre uma questão central, que poderia ser definida como “a condição feminina”, numa sociedade ainda dominada pelos homens.

A essa altura o leitor pode estar achando que tem nas mãos uma tese sociológica disfarçada de ficção. Nada disso. O grande mérito de “A Mulher Desiludida” é conseguir superar os pressupostos ideológicos da escritora e criar, a partir daí, grande literatura.

Na primeira narrativa, a mais autobiográfica, vemos um casal de intelectuais maduros, ambos de esquerda, em conflito com as posições cada vez mais conservadoras do filho, Philippe. O conto prenuncia não só as reflexões posteriores de Beauvoir sobre a velhice, mas também o confronto de gerações que explodiu em maio de 68.

O segundo quadro deste tríptico é o monólogo angustiado de Murielle, que, depois de dois casamentos fracassados e do suicídio da filha, rumina em solidão o seu ódio pelo mundo e por um Deus que talvez não exista.

Na última história, a mais longa, acompanhamos o irreversível desabamento da vida familiar de Monique, uma típica dona de casa que de repente se vê abandonada pelo marido e desprezada pelas filhas.

Fonte: http://vestibular.uol.com.br/resumos-de-livros/a-mulher-desiludida.htm

Um comentário

  1. Simone de Beauvoir é foi uma mulher inspiradora, suas obras a tornaram imortal.
    Fiquei interessada na obra, e a ideia de ser um monologo me chamou a atenção, me fez lembrar da obra “As Lágrimas Amargas de Petra von Kant”.
    Pensei também na obra “Mulheres Que Não Sabem Chorar”. Enfim, já vai para a minha lista de desejados do Skoob.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here