A Comunidade que Vem – Giorgio Agamben

0
567

Primeiramente, confesso que a leitura deste livro não foi algo fácil. Os textos filosóficos, de uma maneira geral se apresentam a mim como um grande desafio à compreensão. Necessárias foram idas e vindas em determinados trechos. Vou tentar relatar aqui um pouco do que pude compreender.

Pensando nas transformações sociais, aquelas que afetam o local, e não só o local mas que também alcançam de certa forma o global, “A Comunidade que vem”, do filósofo italiano Giorgio Agamben vem refletir sobre o ideal político de comunidade, buscando uma outra perspectiva. Uma comunidade de “singularidades quaisquer”.

Essas singularidades caracterizam não o qualquer ser, um ser genérico, mas o ser qualquer, que não é nem global , nem individual, que integra a comunidade,  mas é considerado precisamente em sua singularidade, em seu ser tal qual é. Este ser, segundo Agamben, vive no limbo: como crianças, não possuem sobre si a condenação eterna nem o desfrute do bem supremo.

A obra vai trazer reflexões sobre ética, metafísica, estética e linguagem.

O livro possui 103 páginas compostas em capítulos, divididas em duas partes. Na segunda delas o autor retoma o capítulo X, “Irreparável”. Pertence à excelente coleção “Filó”, do Grupo Autêntica. Durante todo o livro o autor vai recorrer à outros pensadores e escritores para reforçar, embasar e/ou ilustrar suas ideias.

Resenha de Renato Neres, resenhista do Arca Literária

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here