A Literatura Atual nacional. A Literatura Clássica nacional & Os Leitores nacionais. Fernando Mello

6
1555

Literatura atual(contemporânea) trata-se de obras do final do século 20 até a primeira metade do século 21, trazendo consigo novos métodos de escrita e inovação entre os gêneros literários  onde muitas de suas caraterísticas relacionam-se com o movimento modernista.

     A literatura atual do movimento modernista tem como exemplos alguns autores bem conhecidos como: Monteiro Lobato, Augusto dos Anjos, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Alcântara Machado, Manuel Bandeira,  Carlos D. de Andrade, Cecília Meireles, Vinicius de Morais, Rachel de Queiroz, Jorge de Lima, José Lins do Rego, Clarice Lispector, Guimarães Rosa, Olavo Bilac, Mário Quintana, Jorge Amado, Érico Veríssimo, entre outros.

     Porém, do meio da década de 2000 até o presente momento vem surgindo uma leva de obras que são feitas para consumo rápido, onde editoras visam mais o lucro que possa atingir pela obra do que enriquecimento cultural. É claro que as pessoas iram preferir histórias mais fáceis de ler com temas de fácil entendimento e contextos lúdicos e muitas vezes surreais, onde na maioria das vezes segue servindo apenas como um meio de entretenimento. Por tal impaciência dos jovens e de boa parte das pessoas, inexperiência e distrações, livros atuais são mais atrativos.

     Porém muita dessa literatura atual – nessa década – as pessoas deparam-se e se focam na literatura internacional, onde é nítido o cenário americano ganhar mais força do que o nacional.

     Os leitores de hoje em dia preferem obras de autores mais recentes e internacionais, ou de nacionais que seguem uma linguagem mais americanizada – onde se tem nomes, cenários como ambiente geral da trama e cultura tudo internacional.

     Literatura Clássica: Retrata contextos históricos importantes, a escrita é impar, a estrutura textual onde diálogos são tratados com aspas ao invés de travessões, conseguem descrever com bastante precisão sentimentos humanos, a trama se conecta com o leitor, geralmente até ajudando a entender certas coisas de nossas vidas. Os parágrafos contém harmonia e são bem estruturados. Ela uma viagem de reflexões internas e externas.

     Em duas das citações sobre clássicos Italo Calvino diz que:

     “7. Os clássicos são aqueles livros que chegam até nós trazendo consigo as marcas das leituras que precederam a nossa e atrás de si os traços que deixaram na cultura ou nas culturas que atravessaram (ou mais simplesmente na linguagem ou nos costumes).” (Por que ler clássicos – página 11 – Italo Calvino – 1991)

     “14. É clássico aquilo que persiste como rumor mesmo onde predomina a atualidade mais incompatível.” (Por que ler clássicos – página 15 – Italo Calvino – 1991)

     E é comum a situação em que alunos(as) de escolas, ou até mesmo quando as pessoas vão prestar vestibular, tem a obrigação de lerem clássicos brasileiros como forma de enriquecimento cultural, agregando valor ao que é da cultura nativa, mas será que essa leitura compulsória é constantemente feita por prazer ou só por pressão?

     O grande problema em jovens não terem muito interesse nesse tipo de leitura é a linguagem usada muitas vezes impactando com a forma linguística atual que com a evolução da tecnologia vem sendo cada vez mais informal e modificada, onde os meios de comunicação tornam-se portas de acesso para que as pessoas se expressem com palavras mais curtas ou com alusões, isso tem causado uma “revolução” na linguagem jovem.

     Contudo, os clássicos perdem o foco dos leitores atuais que preferem conferir obras mais fáceis de serem compreendidas, como de autores atuais que adotam uma linguagem mais jovem usando de artifícios como a tecnologia e linguagens figurativas, autores estes que estão em alta (moda), e de fácil entendimento que não precise de muita interpretação para pegar o fio da meada (diferente dos clássicos onde se tem toda uma trama que precisa analisar e logo o leitor consegue ter um senso critico mais sóbrio ao invés de vago), mas que poucas vezes tem a riqueza que um clássico contém. Não estou condenando todas as obras atuais, pois existem algumas que contém um conteúdo de ótimo proveito podendo ser comparados a grandes clássicos.

     A leitura de obras clássicas não deve ser encarada como obrigação, mas sim como complemento de riqueza cultural, pois nele contém ambientes históricos, linguagem histórica, elementos textuais mais profundos, e de grande fonte de conhecimento.

     Portanto é importante dar espaço para ambos os tipos de literatura como meio de ganhar mais conhecimento e enriquecimento de um senso critico mais refinado, amplo e singular.

 Então é isso galera e até semana que vem! Abraços.

 Fonte:

FARACO & MOURA, Língua e Literatura, vol. 3, 26ª edição, Editora Ática, São Paulo –Sp.

 Por que Ier os Classicos / ltalo Calvino ; tradução Nilson Moulin, São Paulo, Companhia das Letras, 1993

 Referências:

https://www.todamateria.com.br/caracteristicas-da-literatura-brasileira-contemporanea/ Disponível em 04/01/2017  20:38

 https://pt.wikipedia.org/wiki/Literatura_do_Brasil Disponível em 04/01/2017  21:26

 http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2014/02/1415701-noticias-da-literatura-brasileira-no-seculo-21.shtml Disponível em 05/01/2017  21:30


Apresentação: Meu nome é Fernando Mello sou graduando em Administração, e sou amante da escrita e da literatura, pois acredito que são duas coisas que conseguem extrair de nós tudo o que silenciamos. Notei em mim a arte de escrever quando ainda criança e desde então não parei mais. Tenho três livros publicados: “Uma nova chance”, “Sob o domínio do silêncio” e “A garota por quem me apaixonei”. Agradeço ao Arca Literária pela oportunidade de ter esta coluna onde irei escrever sobre tudo o que envolva literatura, escrita, artes, cinema, e afins. Espero que gostem.

Artigo anteriorA Difícil Arte de Namorar um Homem que Escreve – Danny Marks
Próximo Artigo Lúcia Amélia Brüllhardt
Fernando Mello é de Fortaleza-Ceará, Bacharel em Administração, atualmente cursando Especialização em Escrita Literária. Trabalha em Indústria. Resenhista, Colunista e Organizador de Antologia do site Arca Literária em parceria com a Editora Illuminare. Completamente envolvido pela arte da escrita que é uma forma de expressar tudo aquilo que ele silencia. Almeja realizar tudo o que idealizou para sua vida tanto na área profissional como pessoal. Autor do livro “Sob o domínio do silêncio”. Está com um projeto de novo livro de Suspense com previsão de lançamento Ebook Kindle para 23 de setembro de 2018.

6 Comentários

  1. Fernandinhoooo!!! Apoio a Marta, faz alguma coisa de 50 tons, a gente sabe que você defende a história daqueles livros e fez até a gente ler e gostar também – claro depois de ter mostrando um ponto de vista convincente. Te desafio a fazer, aproveitando que o filme vai tá no cinema. Melhor! Faz um sobre o filme também depois de assistir.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here